Convulsão febril: Entenda tudo!

tags: convulsão febril, causas, tratamento, como agir, o que fazer, crises convulsivas febris, criança, primeiros socorros, epilepsia.

Por Maramélia Miranda **

A convulsão febril é um tipo de convulsão generalizada (que acontece com sintomas de perda da consciência da criança, abalos generalizados nos braços e pernas, virada dos olhos para cima e dificuldade de respiração) que costuma durar poucos minutos, sempre em crianças pequenas (de meses a alguns anos de vida), associadas a elevação rápida da temperatura corpórea (febre) devido a alguma infecção, como resposta do cérebro desta criança à condição e à velocidade de elevação da febre.

Mesmo falando e orientando pais e familiares sobre a benignidade da crise de convulsão febril, que dura pouco tempo, que não é algo muito grave… Mesmo assim, durante o ataque, os sintomas apresentados pela criança podem ser desesperadores para quem os presencia.

As crises convulsivas febris podem ser simples, quando duram de segundos até 10-15 minutos, e não voltam em um período de 24 horas ou menos. Neste tipo de crise, os abalos costumam ocorrer nos dois lados do corpo e de forma generalizada. As crises que duram mais de 15 minutos, onde os abalos ocorrem em um lado do corpo da criança apenas ou recorrem (voltar a acontecer) em menos de 24 horas da primeira, chamamos de convulsão febril complexa, e podem indicar uma evolução mais séria. Entre os fatores de risco para ocorrer a convulsão febril, o maior deles é, sem dúvida, a idade menor: estas convulsões ocorrem sobretudo em crianças de 6 meses até 3-4 anos. Raramente antes ou após esta faixa de idade. Se houver histórico de familiares com o mesmo problema, o alerta também deve ser dado.

O que fazer durante a convulsão?

A primeira coisa é manter a calma, deitar a criança e apoiar sua cabeça numa superfície macia, virando a cabeça para o lado, para que a saliva ou alguma secreção saia pela boca naturalmente durante o ataque, e não obstrua a sua respiração. Se puder, peça a alguém ou você mesmo conte o tempo que durará a crise. Este é uma importante informação para o médico. E você poderá ficar tão preocupado e desesperado, que nem terá muita noção disso após o acontecido! O tempo de duração da crise é um dos indicadores de maior ou menor gravidade de cada caso.

contar tempo de crise

A duração de uma convulsão febril típica é de alguns minutos. Depois disso, a criança costuma ficar sonolenta e acorda aos poucos. Não recomenda-se colocar os dedos dentro da boca da criança para puxar sua língua, pois esta ação pode levar a lesão dos dedos de quem tentou apenas ajudar.

medir temperatura

É muito importante a mãe, pai ou familiar documentar se houve febre e o seu nível (medir a temperatura com uso do termômetro, no momento do ocorrido), pois a convulsão febril deve ser diferenciada de uma convulsão sem febre. Esta dúvida não deve existir.

Muito importante: nada de tentar baixar a febre no momento da crise! Tentar dar remédio para febre pela boca da criança durante o ataque pode piorar a situação, causar engasgo ou aspiração, elvando até a pneumonias.

Depois do término da crise, orienta-se ligar para o pediatra, para avisar do ocorrido, em casos de primeira convulsão febril ou quando não se conhece a causa da febre, a ida até o hospital, para um exame médico-pediátrico detalhado, a fim de verificar o que causou a febre (local da infecção), e tratar este foco o quanto antes, se possível.

É preciso fazer uma tomografia ou ressonância magnética do crânio em caso de convulsão febril?

Esta pergunta é muito, muito importante. Sabe-se que, se for convulsão febril, muito, muito raramente haverá a necessidade de exame de tomografia ou ressonância. Inclusive, a prática de pedidos indiscriminados (excessivos) de tomografias do crânio para casos de convulsão febril já foi bastante estudada, e acreditem: crianças com convulsões febris ou traumas de crânio submetidas a tomografias de crânio sem esta necessidade apresentaram, na evolução e reavaliação destas pesquisas, maior incidência de tumores cerebrais e outros tipos de câncer, por causa da sua maior exposição aos raios-X presentes nestes exames.

Portanto, um recado aos pais e familiares da criança com convulsões febris: na grande maioria das vezes (exemplos raros de exceção: meningites com coleções ou abscessos cerebrais), NÃO HÁ A NECESSIDADE DE TOMOGRAFIA OU EXAME DE RESSONÂNCIA NA AVALIAÇÃO DE CONVULSÕES FEBRIS.

Então, quais exames serão os importantes?

O primeiro e mais importante é a documentação da febre com termômetro ainda em casa, seguida pelo bom exame clínico do pediatra, para ver o local do foco da febre (ouvido? garganta? abdominal? outro?), assim direcionando o seu tratamento. Outro exame importante, e que na maioria das vezes vem com resultados normais, é o eletroencefalograma (EEG), feito geralmente depois da fase aguda, em ambulatório. Além destes, exames de sangue, de urina (para detectar infecções urinárias) ou exame de liquor (para examinar se há meningites) podem ser necessários.

O que pode acontecer com uma criança com convulsões febris?

Na maioria das vezes, NADA!!!! Apesar do que se aparenta, este tipo de crise é muito benigno, e a maioria absoluta dos pacientes acometidos não terá nenhuma lesão cerebral, retardo de desenvolvimento, inteligência ou dificuldades de aprendizado. Também é importante dizer: não significa que a criança que tem crises convulsivas febris terá epilepsia. Esta chance é de cerca de 1% (muito pequena).

A maior preocupação dos pais e dos pediatras é se as crises convulsivas febris voltarem mais e mais vezes. Esta recorrência de crises pode acontecer, e é um dos focos do seu tratamento.

Se houver histórico de familiar próximo com convulsões febris, as convulsões vierem com níveis mais baixos de febre ou em idades menores (menores de 15 meses de vida), se a criança tem tendência a ter febre frequentemente ou com níveis mais altos, ou o período entre o começo da febre e a crise convulsiva for mais curto, a chance de novas crises são maiores.

Medicamentos

Os antiepilépticos convencionais, como ácido valpróico, carbamazepina, oxcarbazepina ou fenobarbital, são os mais usados como preventivos, em casos selecionados.

Na ocorrência do início da febre, em crianças que já tiveram convulsões febris, é importante tratar prontamente a elevação da temperatura com antitérmicos usuais (paracetamol, dipirona ou ibuprofeno).

O uso de diazepan via retal, clonazepan sublingual ou lorazepan oral, como medicamentos anti-convulsões, usados para abortar possíveis ataques, quando há febre documentada em crianças mais sensíveis à recorrência das convulsões febris, podem ser prescritos pelo pediatra e/ou neuropediatra.

** Dra. Maramélia Miranda é neurologista com formação pela UNIFESP-EPM, editora do blog iNeuro.com.br.

269 thoughts on “Convulsão febril: Entenda tudo!”

  1. Meu filho Gabriel tem 2 anos e 11 meses teve sua primeira convulsão febril aos 7 meses fizemos eletroencefalograma começou a tomar gardenal depois de 7 meses deu denovo e mudamos o medicamento para valproato de sodio foram 2 longos anos de tratamento e atenção cuidando ficando em alerta para não deixar febre subir etc parei de trabalhar e me dediquei somente a ele e claro muitas campanhas na igreja e pedindo muito a deus pelo milagre a 2 semanas fomos ao medico novamente para fazer o exame e não deu nada agora voltaremos a neuro para ela dar o diagnostico proficional pois deus curou meu filho, creiam em deus os medicos estão ai ajudam muito mas nos temos os medicos dos medicos olhando por nos la de cima é só pedir e crer e o Senhor jesus entra com a providencia..
    super feliz e agradecida.

  2. Oi tenho uma filha de 6 anos ,com 1 ano de idade ela deve a primeira convulsão com2 e3 ela teve também aí ela vez uso do depake aí não deve mas crise mas agora com6 anos ela deve de novo ,vc acha que ela deve voltar a tomar o depake de novo
    Ela tem as crises com febre todas as vezes foi por causa da garganta inflamada

  3. Ola sou a Quezia minha filha tem 2 anos e 7 meses e teve 3 convulsões febris em nível baixo. 3.7….Segundo Os médicos ela tem limiar baixo. ( QUERO ENTENDER MAIS). PORÉM ENTRETANTO SABEMOS QUE HÁ UMA PREOCUPAÇÃO EM SABER COMO FICA O CÉREBRO DE NOSSA CRIANÇA E COMO SERÁ O SEU DESENVOLVIMENTO COGNITIVO E TAMBÉM SOCIAL.

  4. Eu tenho 52 anos des de 1892 eu passo por este problema eu preciso de uma ajuda so azulejista pedreiro completo não tenho vicio algum mais cempre sofro com essas crise se puder me ajude fico grato

  5. Oiiii Dra….
    Eu tenho um irmão de 11 anos, ele teve 5 convulsões quando era bebê até 3 anos de idade.
    Ele está até hoje sendo acompanhado por um médico que deu remédio para ele, e depois retirou e graças a Deus não deu mais….. Mas outro médico pediu um eletro e deu um alteração… O que pode ser?
    Ele passou minha mãe para falar com um cirurgião… E ficamos preocupadas

    Aguardo resposta!
    Desde já agradeço

  6. Boa tarde, doutora! Tenho uma criança de 10 anos, e ela é especial; às vezes ela tem convulsão.Gostei muito da explicação sobre o tema!

  7. Boa tarde meu filho tem dois anos e seis meses, sua primeira crise foi com 8 meses, e ate hoje ja foram cinco convulsoes febris. Gostaria de saber se mesmo meu filho tomando cabarmazepina ele pode da essas crise convulsiva febril?? Esse medicamento deixa a criança dopada? Tem apenas dois dias que ele começou a tomar, tenho medo, me oriente por favor!!!

  8. Boa noite Dra. Gostei muito de ler e entender um pouco sobre convulsões coisas que me preocupa muito quando meu filho está com febre.
    Inclusive hoje estou no pronto Socorro e ele com febre pedi para técnica verificar a temperatura dele e disse a ela que eu tinha muito medo de convulsões. Ela me respo deu que isso é impossível de acontecer sei que isso talvez seja estudos feitos e comprovados mas sabemos que nosso corpo está em constantes mudanças.
    Resolvi da uma pesquisada quando vi um depoimento de uma Mae onde o filho que tem 17 anos sempre tem convulsões.
    Eu sou muito setica, quando meu filho está com febre já médico não deixo ela evoluir.

  9. Olá , estou com minha filha de 3 anos e 9 meses hospitalizada há mais de dois meses devido um derrame pleural ” pneumonia”, ela passou por duas cirurgias , tivemos alta da UTI mas no dia seguinte ela ficou com febre e deu confusão , isso faz uns 15 dias e até hoje ela não consegui falar normalmente, no começo pensei que fosse perda de memória mas vejo ela tentando falar as coisas mas embola a língua, o médico dela falou que nao é por conta da confusão mas o susto que ela ficou . Não sei oq fazer , isso é normal ? Ela vai voltar a conversar como antes ?

  10. Olá , sou a tannizy e estou com minha filha de 3 anos e 9 meses hospitalizada há mais de dois meses devido um derrame pleural ” pneumonia”, ela passou por duas cirurgias , tivemos alta da UTI mas no dia seguinte ela ficou com febre e deu confusão , isso faz uns 15 dias e até hoje ela não consegui falar normalmente, no começo pensei que fosse perda de memória mas vejo ela tentando falar as coisas mas embola a língua, o médico dela falou que nao é por conta da confusão mas o susto que ela ficou . Não sei oq fazer , isso é normal ? Ela vai voltar a conversar como antes ?

  11. Olá mel filho tevi 3 comvuçao com febre ele está tomando gardenal o neuro mando suspender quando suspendie dia seguinte deu a comvuçao novamente a pediatra mando toma o remédio novamente a ter i pro neuro ele tem 1 ano2 mesis

  12. Oi bom dia não sei o q fazer minha filha tem 2anos e 8 meses teve três convulsoes8 febris em intervalo de três meses.. já passei ela no neuro já fiz o eletroesefalograma, e n deu nada no resultado, sempre q ela tem esses crises levo ela p o o ponto Socorro faz exames e n da nada nos resultados, estou muito desesperada pós n sei o q tá causando esses crises…

  13. Oi boa noite eu dou Maria tenho um filho de17 anos que toda vez que tem uma infecção de garganta da febre e logo da á convulsao isso desde pequeno.

  14. ola me chamo tenho um filha de 2e 10 meses ela teve sua primara convulsao febria po ums 10 minutos qual a causa desse simtomas fiquei muito apavorado pois foi a primeira vez que aconteçe com minha filha o que devo fazer para nao acontecer de novo

  15. Boa noite.
    Sou Juliana e meu filho teve convulsão febril. Ele ficou com olhos parados, sem respirar por 5 minutos ouve liberação de fezes e urina, isso já ocorreu por duas vezes em tempos diferentes. Levamos ao hospital e nem os médicos solberam o que fazer. A criança foi trasferido para outro pronto atendimento.
    Poderia me responder? Como eu faço neste caso com outra criança?

  16. Olá; meu filho teve convulsao com 2 anos;
    Agora com 2 anos e 4 meses, teve novamente; fico muito nervosa de passar mal; caso acontecer, devo correr para o hospital ou devo esperar a convulsão passar? Fico com medo de perder meu filho; a convulsão febril pode matar? devo levar ele no neuro ou no otorrino? levei ele no Pediatra, e o pediatra falou que ele é alérgico a leite, ovo, tomate, corante, etc; o que devo fazer? já não durmo mais, com medo de acontecer alguma coisa; não sei o que fazer; estou sustentada pelo senhor

  17. Olá,
    Em uma manhã meu filho de 2anos teve uma convulsão com 37,5 de febre, durou cerca de 1minuto. Durante a crise ficou com o corpo rígido, tremendo, piscando..ficou desacordado e voltou aos poucos, levamos à emergencia, foi medicado para febre e fez tomografia sedado pois ele fica com medo de ficar naquele aparelho. Semana seguinte, um dia após levar o resultado da tomografia para a neuropediatra, ele teve outra crise também em uma manhã, e da mesma maneira que a primeira e com a mesma duração mas NÃO estava com febre nenhuma. Levamos à emergencia e pouco mais de uma hora que estávamos la teve outra crise, mais curta, mas da mesma maneira.. Aplicaram o gardenal e mais outros dois remédios que não sei o nome para acabar com as crises.. está internado a dois dias.. no hospital começou a tomar o depakene sob orientação da neuro.. Mas me assusta ele está tão molinho..sem equilíbrio.. não conseguindo ficar em pé sozinho.. dormindo tanto assim..
    Quando ele acorda, quer andar mas não consegue fazer isso só.. temos que segurá-lo. Ele reconhece tudo, todos e fala normalmente..mesmo estando “grogue” como um bêbado.. Mas a neuro disse que ele está assim devido aos remédios muito fortes que teve que tomar, e que ele vai voltar ao normal assim que o organismo for aceitando a medicação. É isso mesmo? Prq será esta convulsão sem febre?? A neuro disse que vai pedir um eletro na proxima semana, pois os medicamentos podem interferir no resultado.. É isso mesmo??
    Obrigado.

  18. Oii; sou maria, tenho um filho de 3 anos; ele teve convulsao 3 vezes, parou todas essas 3 vezes, ele parou no hospital, e so tomava remedio na veia, e ele varia muito, me pedindo coisas e brinquedos; ele acorda assustado. Gostaria de saber o que fazer quando ocorrer novamente. Obrigada!!

  19. Oi boa noite MEU NOME É MARIA EU TENHO UM FILHO DE 2 anos e meio. Ele teve convulcao 3 veses tudo por causa da febre ele ja parou no hospital varias veses e deram a dipirona na veia. Só que ele vareia muito sempre quando dorme ele varia pedindo coisas pra ele e com coisas que nao existem eu fico desesperada nao sei o que faser porfavor eu peco ajuda pois so tenho um filho e sou muito nova. O que devo fazer quando ocorrer isso novamente? Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *