Alzheimer: O que fazer e o que não fazer!

tags: doença de Alzheimer, sintomas, Alzheimer tratamento, cuidadores, dicas aos cuidadores, o que não fazer, como cuidar, orientações para Alzheimer, dicas em demências, como cuidar nas demências, cuidar no Alzheimer

Por Maramélia Miranda ** (Atualizado em Julho de 2020).

Quem passa o maior estresse do mundo ao cuidar de uma pessoa com Alzheimer? Quem fica preocupada? Quem pode sofrer por causa dos dias agitados, noites mal-dormidas?

Pra falar a verdade, o estresse do cuidador e dos familiares é muito… Muito maior do que o estresse do próprio paciente, que está sem memória e crítica suficientes para perceber o que se passa a seu redor.

Neste tipo de doença, mais do que nunca, os neurologistas devem ter a atenção redobrada em QUEM CUIDA dos pacientes… Senão, quem adoece depois são eles, as famílias e os cuidadores. E tudo pode piorar.

Aos cuidadores, familiares, pessoas que moram ou convivem com pacientes que tem o diagnóstico de Demência por Doença de Alzheimer, ou outros tipos de demência menos comuns, abaixo relaciono uma listinha do que devemos e do que não devemos fazer no cuidado diário destas pessoas. Tudo isso para facilitar a sua vida, e minimizar maiores estresses para ambos (paciente e quem cuida).

Tarefas da vida diária: Deixá-los dependentes, ou independentes?!

Nos estágios mais leves e iniciais, os cuidadores e familiares podem, e DEVEM!!! Devem tentar manter os portadores de demências o máximo independentes e autônomos possível, respeitando, é claro, o que poderão realizar de atividades de vida diária.

A reação inicial, por instinto protetor, e como forma de cuidar, proteger ou ajudar, poderia ser, por exemplo, tentar sempre fazer tudo o que é possível, no lugar do doente, da pessoa com demência!!! Está errado! O cuidar é mais complexo nestes casos. Às vezes, melhor cuidar significa tentar fazer a pessoa doente executar e completar aquela tarefa… Ajudando-a apenas quando é preciso. Portanto, a seguir relatamos algumas dicas super importantes:

No dia-a-dia…

* Crie uma rotina – Planejando o dia, os horários, de alimentar-se, almoçar, tomar os remédios, banhar-se, vestir-se, passear na rua, ou no jardim, etc, cria uma ordem, e menor confusão na mente dos idosos com Alzheimer, ou com outros tipos de demência.

* “Muita calma nessa hora” – Ter calma é uma das regras básicas para os cuidadores e famílias de idosos com demências. É óbvio que eles não irão se vestir no mesmo tempo que você se veste. Se você ou o cuidador são impacientes, o que acontecerá? Você ou quem cuida tenderá a fazer a atividade pela pessoa, como, por exemplo, se vestir ou escovar os dentes, ou tomar o banho. Isso cria um ciclo vicioso, onde o doente perderá lentamente a capacidade de fazer ou ajudar a fazer aquela tarefa. Você ou o cuidador pensará: “Ganho tempo vestindo-o mais rápido”. Doce ilusão. Você o acostumará a não fazer aquilo, e depois de algumas semanas, você terá mais trabalho, e ele (ou ela) não te ajudará em mais uma coisa, e a tendência é tudo piorar. É uma verdadeira bola de neve. Moral da história? Tenha calma, e deixe que o doente faça o MÁXIMO de coisas que possa fazer, mesmo que com sua pequena supervisão… Confie em mim… Isso fará com que o declínio para fazer estas tarefas seja mais lento.

* Limite as escolhas possíveis – Se for o caso de uma escolha de roupas, por exemplo, não mostre o armário todo, e prefira dar duas opções de camisa ou calça, ou vestimenta, por exemplo. O idoso, que já está meio confuso por causa da doença, irá te agradecer por você facilitar a mente dele. Para mulheres, por exemplo, não transforme a escolha de um acessório num transtorno; elimine escolhas como brincos ou colares, cintos ou correntes, etc. Quanto menores as opções, mais fáceis as escolhas e o trabalho mental dos doentes, e menor a possibilidade de se criar irritação e confusão mental, ou agitação nestas horas…

* Oriente instruções simples – Ao orientar como fazer uma tarefa, não instrua tudo de uma vez. Um passo de cada vez facilitará o seu trabalho como cuidador, e o entendimento do paciente. E poderá evitar, inclusive, que este fique nervoso, irritado em não conseguir fazer o que no passado conseguia mais facilmente.

* Reduza distrações durante uma tarefa – Ao comer, se possível, desligue a TV; ao vestir o doente, por exemplo, evite conversar sobre outro assunto; tentar fazer uma tarefa de cada vez, sem arrumar outras distrações durante aquela ação, facilita o fazer para o paciente, e agiliza o terminar da tarefa para o cuidador.

* Seja flexível quando precisar mudar algo – Se o doente não gosta mais daquela comida, ajuste o cardápio; se só quer agora usar a mesma roupa todos os dias, tente comprar outras roupas semelhantes, até mesmo iguais, e durante o banho dele, troque a roupa suja pela nova igualzinha… Esqueça de tentar convencê-lo do contrário, quando o doente insistir fixamente naquela ideia. Não se desgaste, nem desgaste a pessoa doente.

Sobre segurança…

* Previna quedas – Evite ter tapetes pela casa, muitos móveis atrapalhando o caminho, espaços pequenos e apertados, caminhos muito sinuosos. Se puder, instale barras para ajudar a pessoa a se equilibrar e evitar quedas, em locais mais críticos (como banheiros, escadas, corredores longos, ou nos boxes dos banheiros, por exemplo).

* “Armas” domésticas – Não deixe medicamentos, álcool, fogo, armas de fogo (revólveres, por exemplo), ferramentas pesadas ou utensílios domésticos mais perigosos, como facas e garfos afiados, ao alcance de pessoas com demência. Ou você deve arrumar uma fechadura para os armários e gavetas contendo isso, ou deixe-os em local inacessível ou desconhecido da casa.

* Queimaduras com água – Mantenha a temperatura do aquecimento da água em nível ameno. Isso previne queimadura em alguma situação imprevisível (por exemplo, o doente ir banhar-se sem sua ajuda).

Agitação e agressividade

Esta é uma das principais queixas de quem cuida de pessoas com demências ou muito idosos, em casas ou hospitais. Os sintomas de agitação, gemência, tremores, inquetação, chegando até mesmo a casos com gritos ou agressividade, são muito, muito frequentes… E vocês, família ou cuidadores, podem evitá-los consultando, inicialmente, o médico que assiste aquele doente, que poderá dar alguma medicação para este controle. Mas além disso, existem algumas medidas tão simples, que podem ajudar imensamente a reduzir que isso ocorra.

E se houver muita agitação e confusão mental…?

* Observe se há algum padrão de agitação no seu paciente / familiar – É frequente um horário mais comum quando estes pacientes ficam mais inquietos e agitados. Isso é comum no final do dia, no entardecer, ou começo da noite. Fique atento aos horários mais comuns em que isso ocorre no seu familiar, ou paciente, para informar isso ao médico, e para que possa fazer algumas estratégias de como reduzir isso.

* Medidas simples para reduzir delirium / agitação e agressividade – Delirium é como médicos e neuros chamam estas agitações frequentes na doença de Alzheimer. Ocorre pela própria doença, e este problema pode ser minimizado com medidas simples, como, por exemplo, deixar a pessoa em local iluminado, arejado, abrindo bem as janelas durante o dia, para que a pessoa perceba que o dia está acabando e a noite irá chegar. Deixar a pessoa fechada, reclusa, em local escuro ou pouco iluminado, sem a noção do tempo, pode piorar e precipitar este sintoma. Outra coisa legal de se fazer é sempre deixar a pessoa portadora de demência com objetos conhecidos seus, um rádio, um souvenir, seu próprio óculos, ou, por exemplo, quando está fora de sua casa, com seu travesseiro, seu cobertor. Manter a pessoa próximo de sua rotina e de seus pertences dá uma segurança para o portador de demência, e pode reduzir a ocorrência destas agitações.

* Agitação à noite e durante madrugada – É beeeeemmmm frequente. Principalmente se você deixar o vovô ou a vovó dormir um monte durante o dia!!!! É óbvio que o paciente tenderá a trocar o dia pela noite, e a situação pode ficar literalmente infernal, para ambas as partes… Nestes casos, sempre lembrar que o dia é para ficar desperto, e a noite é para dormir. Pode dar cochilos? Pode. Mas em horários curtos, no máximo 1-2 horinhas à tarde. Apenas. Se a agitação, gemência e confusão mental ficarem muito intensas mesmo fazendo estas medidas de não deixar dormir de dia, tem que falar com o médico, para que se prescreva algum remédio sedativo para ajudar na insônia e delirium noturno.

Medidas simples para melhorar o sono…

Medidas de higiene do sono, o básico do básico para evitar qualquer tipo de insônia, também se aplica para os pacientes com Alzheimer e outras demências:

— Evitar grandes refeições em horários muito tarde da noite; Evitar alimentos e bebidas psicoestimulantes (açucar, chocolates, cafeína, chás fortes, etc). Evitar ter TV dentro do quarto de dormir. Evitar contato com celulares e computadores; Evitar locais barulhentos. Instalar janelas anti-ruídos, se o local da casa ou apartamento for muito barulhento; Se possível e o paciente gostar, usar músicas relaxantes no horário do sono…

Links relacionados…

+++ Demências

+++ Estágios da Doença de Alzheimer

 

** Dra. Maramélia Miranda é neurologista clínica pela UNIFESP-EPM, e editora do blog iNeuro.com.br.

53 thoughts on “Alzheimer: O que fazer e o que não fazer!”

  1. Querida Viveca.
    Sei sofrimento será maior enquanto quiser sua mãe de volta.
    Existe o período de luto, onde choramos pela perda gradativa, principalmente nas questões da independência física e mental.
    Mas, se ficarmos no luto, ficaremos presas e isso atrapalha todo os cuidados.
    Aos poucos passe a visualizar essa nova pessoa que está a sua frente, com suas limitações. Passe a estimular no que puder ( de o creme ora passar no corpo , distribua nis lugares, dê a escova, de a bucha pra passarem no corpo na hora do banho, alimentos mais cozidos que facilitem a mastigação..etc) atividades de pintura em desenhos grandes….colagens…. dobrar panos peayo…bijouterias…
    Eles vão aceitar ou rejeitar atividades e assim conheceremos essa nova pessoa.
    O amor por tudo que essa pessoa fez por vc, te ajudará nós cuidados.
    Sr não era uma pessoa boa, utilize da GRATIDÃO, pq a falta das coisas , nos faz dar o devido valor em nossas vidas

  2. MiNha mae foi diagnosticata com depressao mas depois da risonanza tudo indica que sta com o estagio 6 avançada Alzaimer meu pai buscou informacao e con il isolamento covid estamos sicuro que ela tinta ataque do panico na verdade os tremore estava rrlacionados com a doença de una dias pra ca observei o quanto emagreceu,triste e seguirà a cabeça come se fosse Pesado p ela .nao come bem e o intestino nao funziona sem procedimento enema uma situazione muito triste pra quel esta por perto.Busco a curA de minha mae busco a sua risada busco a sua allegria busco ela aonde se perdeu quero a minha maede voltA

  3. Boa noite!

    Meu tinha sido diagnosticado com Alzheimer no mes de julho 2020, nesse trocou 4 vezes de remedios p dormir. E logo depois da 4a troca se passaram apenas 10 dias e ele piorou muito a parte mental dele e percepcao da casa e movimentação pessoal, ja nao conseguia nem escovar os dentes e nem mesmo sentar no vaso, nao conhecia a casa que morava e ficou sempre pedindo p leva lo p casa, sendo q ele estava em casa…isso em 10 dias. Trocamos de medico e tudo mudou. Ele trocou os remedios e meu pai voltou a realizar as coisas simples do dia em menos de 15 dias. E o medico falou q talvez nao seja o Alzheimer e q fara uma nova avaliação depois de 2 meses q sera em outubro 2020, E o tratamento ira continuar nesses 2 meses. Ja se passaram mais de 25 dias e agora meu pai melhorou mentalmente mas fisicamente demonstrou dificuldades p se levantar e de deitar na cama. Entao ele precisa de ajuda a todo momento. Nao consegui sentar por mais de 5min e diz q a coluna doi. Entao se nao esta dormindo esta andando dentro de casa o tempo todo com alguém do lado. Agoras nesses 2 dias ele comecou a soar muito e odores apareceram. Fora isso ele fica muito triste pois nao consegui mais andar direito. É normal sentir isso tudo? E como faco p melhorar a parte fisica dele? Ele nao assiste tv, nao faz cruzadinha, nao consegui fazer nada p tirar a atencao dele
    Gostaria muito de uma qualidade de vida melhor p ele. Sai da minha casa p ajudar meus pais que moram com meu irmao. Eles estavam exaustos com toda situação. Mentalmente e psicologicamente fora a covid que creio q fez tudo isso acontecer com meu pai o deixando em casa preso e acabou ficando em depressão que ocasionou tudo isso…e muito mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *