Síndrome de Guillain-Barré

Tags: polirradiculoneurite aguda, desmielinização, Guillain-Barré, vacinal

Introdução. É a ocorrência de uma inflamação aguda na mielina, camada de proteína que reveste os ramos dos neurônios, nos nervos periféricos que levam a informação do cérebro e medula para os braços, pernas e rosto. Também chamada de polirraduculoneurite inflamatória desmielinizante aguda, o Guillain-Barré é uma doença de caráter bastante benigno, costuma instalar-se em alguns dias rapidamente, e os maiores fatores de risco para o seu desenvolvimento são a ocorrência de infecções virais, vacinação prévia aos surtos, diarréias, entre outras condições inflamatórias.

Sintomas. Os sintomas começam de forma rápida, instalando-se lenta, mas rapidamente, em alguns dias: o mais comum é a conjunção de alterações de sensibilidade, com formigamentos, nas mãos e nos pés, geralmente evoluindo com perda gradual da força, e esta fraqueza muscular quase sempre evolui de forma ascendente, primeiro nas pernas, depois literalmente “subindo” pelo corpo, atingindo os braços, músculos do tórax, e às vezes do rosto. Dor, aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial também são comuns. Não há alteração da consciência, memória e orientação durante o episódio. O quadro pode inclusive levar à perda da capacidade respiratória, com alguma parcela dos pacientes necessitando de suporte respiratório, com ventiladores, na UTI.

Exames complementares. A suspeita de um quadro de Guillain-Barré impõe necessariamente a internação hospitalar do paciente suspeito, para investigação e vigilância dos sintomas de fraqueza muscular. Os exames a serem realizados incluem o exame do Líquor da medula espinhal (Liquor cefalorraquiano), eletroneuromiografia e exames laboratoriais para pesquisar infecções, imunodeficiências e outras doenças da imunidade em geral. Na UTI, é importante o suporte da fisioterapia respiratória e motora, e seguimento concomitante da equipe de médicos intensivistas, sobretudo nos casos mais graves, com alterações da respiração e cardiovasculares.

Tratamento. Na fase aguda da doença, com a intenção de minimizar as sequelas e aumentar a rapidez da recuperação dos sintomas, estão indicadas a administração de imunoglobulina endovenosa, durante cinco dias, ou a realização de plasmaferese, ambos os tratamentos com igual eficácia. Na prática, prefere-se a imunoglobulina pela menor invasividade terapêutica.

O tratamento a médio e longo prazo está baseado na reabilitação, com fisioterapia neurológica para a recuperação da força muscular nos membros.

Os casos com Guillain-Barré tem, em geral, uma excelente evolução, mas é importante esclarecer aos pacientes e familiares que a melhora é lenta, relacionada exatamente com a recuperação das camadas de mielina perdidas na desmielinização, e portanto ocorrendo de forma completa apenas após alguns meses da crise inicial. Casos raros, onde há desmielinização associada a perda dos ramos dos neurônios (formas axonais), tem uma recuperação ainda mais lenta, e às vezes não recuperam-se completamente. Daí a importância da eletroneuromiografia para estabelecer estas diferenças e ajudar no prognóstico a médio e longo prazo.

One thought on “Síndrome de Guillain-Barré”

  1. Meu esta com sintomas da guillain barré
    Me ajudou bastante esta pesquisa e um momento difícil ele tem apenas 3anos
    Mas vamos superar
    Att:Ricardo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *