Microangiopatia cerebral

Por Maramélia Miranda ** (Atualizado em Novembro de 2018).

tags: rarefação mielínica, gliose cerebral, angiopatia cerebral, microangiopatia cerebral.

O que é microangiopatia?

Pode ser uma alteração benigna, do envelhecimento, por alguma doença oculta… Ou pode ser um AVC isquêmico… Depende.

Este termo pode aparecer em algum resultado de exame de imagem neurológico, como uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética do crânio. Muitas vezes descrito nos laudos de exames como gliose, rarefação mielínica ou angiopatia, trata-se de um termo médico usado para descrever quando alguns pontos pequenos do cérebro, geralmente em áreas mais profundas, recebem pouco oxigênio, glicose e irrigação sanguínea, levando à morte dos neurônios nestes pontos – veja mais sobre Gliose – AQUI.

+++ Veja também: Gliose cerebral

+++ Veja também: AVC Isquêmico

+++ Veja também: Alzheimer: Reconhecendo os seus sintomas

A aparência da microangiopatia no exame de tomografia é de uma área (ou áreas) mais escuras.

Na ressonância magnética, nas sequências T2, a microangiopatia ou focos de gliose aparecem como pontos ou áreas brancas, contrastando com o cérebro normal (de cor cinza) – figura AQUI.

fasekas

Imagens de ressonância magnética do crânio, de 3 diferentes pacientes: as manchas brancas, no meio do tecido cerebral mais acinzentado, são o que chamamos de gliose. Na figura, vemos graus de gliose leve (poucos focos), moderada (figura do meio) e mais grave, com focos de gliose confluentes.

Algumas doenças crônicas frequentes na população predispõem os indivíduos a ter maior ou menor número destes pontinhos brancos no cérebro, como:

  • hipertensão arterial (pressão alta) crônica, principalmente quando não bem controlada
  • diabetes
  • aumento de colesterol ou triglicérides
  • síndrome da apneia do sono
  • doenças cardíacas, coração dilatado
  • infarto do miocárdio prévio
  • arritmias cardíacas, como fibrilação atrial
  • doença renal crônica
  • hábitos de vida ruins, como fumar, etilismo diário e sedentarismo
  • envelhecimento, idade mais avançada

O envelhecimento normal também pode evoluir com áreas de microangiopatia no cérebro. Não tem jeito. Faz parte.

As lesões de microangiopatia cerebral, em geral, se tênues, pequenas, iniciais, esparsas, não dão nenhum sintoma.

Entretanto, se houver progressão ou aumento destas lesões, ou sua confluência – ou seja, ao longo de anos as lesões começando a “se juntar” no cérebro – como por exemplo, em micro-isquemias cerebrais silenciosas, o indivíduo afetado pode ter problemas progressivos de memória, linguagem e cognição, até casos extremos que podem desenvolver demência. Nestes casos, as manchinhas podem ter sido AVCs isquêmicos antigos, que foram se juntando e formando as áreas brancas…

Geralmente estes casos mais sérios, com maiores manchinhas, são as pessoas que não se cuidam, não vão ou não tem acesso a médicos, medicamentos, não controlam seus problemas de saúde crônicos, ou continuam a ter hábitos de vida ruins, como o sedentarismo, fumar e excesso de ingestão de álcool.

O que fazer com a microangiopatia?

Simples assim: Cuide-se. Procure um médico, clínico, ou cardio, ou um neurologista.

Tome seus remédios de pressão alta, mantenha sua pressão arterial em no máximo 120 ou 130×80 (12 por 8), cuide do seu diabetes, se tiver. Controle seu peso. Faça atividade física. Faça exames de check-up regulares. Tenha hábitos e alimentação mais saudáveis.

Identifique se você tem algum fator de risco para desenvolver a microangiopatia. Na dúvida, procure um neurologista e converse sobre o problema, o grau do que foi encontrado, e as medidas para evitar a progressão.

O tratamento das lesões de gliose ou microangiopatia é, basicamente, o bom controle dos fatores de risco cardio e cerebrovasculares associados (doenças crônicas cardíacas, circulatórias em geral, transtornos do sono, obesidade) e evitar-se hábitos de vida correlacionados.

Leia mais…

+++ AVC Isquêmico

 

** Dra. Maramélia Miranda é neurologista com residência e pós-graduação em Neurologia pela UNIFESP-EPM, especializada em AVC e Doppler Transcraniano, editora do blog iNeuro.com.br.

TEM MAIS DÚVIDAS??? LEIAM AS VÁRIAS PERGUNTAS DOS LEITORES ABAIXO… E AS RESPOSTAS…

255 thoughts on “Microangiopatia cerebral”

  1. Cheguei neste site pesquisando sobre resultados de exame de TC de um tio, 74 anos, obeso (125kg atual, já foi mais de 140) deficiente mental, a TC foi feita pois ele já tem de muito tempo um tipo de fraqueza do lado direito do corpo, o que o impede de se locomover (andar) sem ajuda.
    Minha missão é poder devolver a este homem a liberdade de ser uma pessoa normal, ou o mais próximo disso possível, dentro de suas limitações.
    Ja tive muito sucesso nessa minha caminhada e até agora o que fez a maior diferença na vida dele foi fazer uma dieta de baixo carboidratos e açúcar, essas duas juntas são substancias muito danosas ao nosso corpo e mente quando consumidas em excesso e por longos períodos, são DROGAS muito piores que tabaco e álcool JUNTAS, Se vocês querem devolver uma vida normal a seus entes queridos procurem se informar sobre dietas low carb / cetogênicas, resultados aparecem já em 10 a 15 dias.

  2. tc-crânio sem contraste …resultado:
    Discreta redução volumétrica encefálica difusa com dilatação do espaço subaracnóideo. Tenue ipodensidade mal definida na substancia branca supratentorial periventricular. Provável microangiopatia

    DISCRETA MICROANGIOPATIA DEGENERATIVA DA SUBSTANCIA BRANCA SUPRATENTORIAL alteração volumétrica do parênquima encefálico.

    Ateromatose carotídea e vertebrobasilar

  3. sinto um peso muito grande na minha cabeça é como se tivesse carregando dentro da minha cabeça o tempo todo durmo e acordo sentindo o mesmo cansaço e um peso que começa do pescoço para cima eu durmo e acordo cansada é como se tivesse carregando pedra na cabeça o tempo todo eu não estou mais aguentando este peso que esta me matando pouco a pouco ja fazem 20 anos se tivesse começado agora eu diria que era alguma coisa relacionado a idade, eu estou envelhecendo mais estou vivendo esta tortura há muitos anos acho que não morri ainda porque sou muito forte mais não queria morrer assim porque tenho que morrer assim,sem nem uma qualidade de vida será sera que ainda resta uma esperança para mim estou sofrendo tanto que as vezes tenho vontade de por um fim na minha vide um fim no meu sofrimento,eu ja procurei ajuda de tantos medicos mas nenhum que se interece em saber o que fazer pra me ajudar será que para pessoas assim como eu sem posses não existe um medico no mundo?tem que morrer sem socorro por ser pobre as veses penso que pobre não deveria ficar doente,mai fica…eu sei que não vai adiantar nada,sei que falar não vai resolver sei que vou levar a minha vida até aonde der,

  4. Porque as pessoas descrevem resultados de imagens de TC com interpretação , sintomatologias etc… se não há retorno?
    Está claro que não obterão respostas aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *