Indicadores de qualidade e performance em AVCh

Atenção. Atualizem os IQs do seu serviço.

Para AVCh:

  1. Uso do ICH score na admissão
  2. Reversão de coagulopatia
  3. Profilaxia de TVP/TEV
  4. Admissão do paciente em UTI ou Unidade de AVC
  5. Screening para disfagia em 24h
  6. Avaliação de disfagia antes de alimentação VO
  7. Início de terapia antihipertensiva de longo-prazo
  8. Acesso à reabilitação
  9. Evitar uso de corticosteróides

LINK

Hemphill et al. Clinical Performance Measures for Adults Hospitalized With Intracerebral Hemorrhage: Performance Measures for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke 2018.

Programação do II CONINI 2018 divulgada!

O II Congresso de Neurointensivismo da ABNI no Rio de Janeiro já está a todo vapor, com sua programação já divulgada no site!

São váaaarios – mais especificamente 37 convidados internacionais confirmados.

Isso mesmo: 37 palestrantes internacionais, todos feras da área, e um programa digno do quilate dos convidados… Vejam nos links abaixo, os temas e palestrantes de toda a grade do congresso.

Brandon

Inscrições e Programação AQUI ou direto no site do evento – www.conini.com.br.

PROGRAMA Dia 11 de maio sala 1 – AQUI

PROGRAMA Dia 11 de maio sala 2 – AQUI

PROGRAMA Dia 12 de maio sala 1 – AQUI

PROGRAMA Dia 12 de maio sala 2 – AQUI

CONINI 2018 – Congresso Internacional de Neurointensivismo da ABNI

Em preparação e contagem regressiva para o segundo congresso de Neurointensivismo da ABNI, associação Brasileira de Neurointensivismo, que este ano terá uma reunião regional da Neurocritical Care Society junto com o congresso.

Brandon

Inscrições e Programação AQUI ou direto no site do evento – www.conini.com.br.

E atenção para virada de tabela das incrições. Se você decidir ir ao evento, não deixe de se inscrever até o final de fevereiro.

CONINI-Banner

Nova resolução do CFM sobre Morte Encefálica

Atualizado em Fevereiro de 2018.

Tags: Morte encefálica, protocolo novo, protocolo 2017, nova resolução de morte encefálica.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou em dezembro de 2017 uma atualização dos critérios para a definição de morte encefálica. A Resolução nova, de nº 2.173/17, substitui a de nº 1.480/97.

Resultado de imagem para CFM

A nova Resolução do CFM nº 2.173/17 estabelece que os procedimentos para a determinação da morte encefálica devem ser iniciados em todos os pacientes que apresentem coma não perceptivo, ausência de reatividade supraespinhal e apneia persistente.

O quadro clínico do paciente também deve apresentar todos os seguintes pré-requisitos:

  • presença de lesão encefálica de causa conhecida e irreversível;
  • ausência de fatores tratáveis que possam confundir o diagnóstico;
  • tratamento e observação no hospital pelo período mínimo de seis horas;
  • temperatura corporal superior a 35º graus;
  • saturação arterial de acordo com critérios estabelecidos pela Resolução.

Procedimentos para o diagnóstico de Morte Encefálica

Além do exame clínico, que deve ser realizado por dois médicos diferentes, o novo protocolo reduz o intervalo entre os testes clínicos para o mínimo de uma hora entre a primeira e a segunda bateria de testes. Além disso, é necessário apenas um teste de apneia e um exame complementar. Anteriormente, o exame clínico era vedado a um neurologista e outro médico não-especialista. Com a nova resolução, podem fazer os exames médicos neurologistas, neurocirurgiões, intensivistas e emergencistas que tenham experiência com os testes clínicos.

Entre os exames complementares recomendados, estão a a angiografia cerebral, o eletroencefalograma, o doppler transcraniano e a cintilografia cerebral. O laudo deve ser assinado por profissional com comprovada experiência e capacitação para a realização desse tipo de exame.

Veja, abaixo, as principais diferenças entre as duas normativas, antiga e de 2017.

Resolução 1.480/97 Resolução 2.173/17
Parâmetros clínicos para o início do diagnóstico

Coma aperceptivo com ausência de atividade motora supraespinal  e apneia.

Parâmetros clínicos para o início do diagnóstico

Coma não perceptivo, ausência de reatividade supraespinhal, apneia persistente, lesão encefálica de causa conhecida, irreversível e capaz de causar a morte encefálica, ausência de fatores tratáveis que possam confundir o diagnóstico de morte encefálica. Temperatura corporal superior a 35º, saturação arterial de oxigênio acima de 94% e pressão arterial sistólica maior ou igual a 100 mmHg para adultos.

Tempo de observação para que seja iniciado o diagnóstico

Não tinha

Tempo de observação para que seja iniciado o diagnóstico

Mínimo de 6 horas

Quando a causa fora encefalopatia hipóxico-isquêmica, a observação deve ser de 24 horas.

Intervalo mínimo entre as duas avaliações clínicas

De 7 dias a 2 meses incompletos – 48 horas

De 2 meses a 1 ano incompleto – 24 horas

De 1 ano a 2 anos incompletos – 12 horas

Acima de 2 anos – 6 horas

Intervalo mínimo entre as duas avaliações clínicas

De 7 dias a 2 meses incompletos – 24 horas

De 2 meses a 24 meses incompletos – 12 horas

Acima de 2 anos – 1 hora

Confirmação da morte encefálica

a) Exames clínicos, realizados por médicos diferentes, e exames complementares, realizados em intervalos de tempos variáveis;

b) Os exames complementares devem demonstrar: ausência de atividade elétrica cerebral, ou ausência de atividade metabólica cerebral ou ausência de perfusão sanguínea cerebral.

Confirmação da morte encefálica

a) Dois exames clínicos, por médicos diferentes, especificamente capacitados para confirmar o coma não perceptivo e a ausência de função do tronco encefálico;

b) um teste de apneia;

c) um exame complementar que comprove a ausência de atividade encefálica. Este exame deve comprovar: ausência de perfusão sanguínea encefálica, ou ausência de atividade metabólica encefálica ou ausência de atividade elétrica encefálica.

Formação dos médicos examinadores

a) Decreto 2.268/97 (revogado pelo decreto 9.175/17) estabelecia que um dos dois médicos confirmadores da morte encefálica deveria ser neurologista;

b) mesmo decreto estabelecia que nenhum desses médicos poderiam fazer parte da equipe de transplante.

Formação dos médicos examinadores

a) Será considerado capacitado o médico com um ano de experiência no atendimento de pacientes em coma e que tenha acompanhado ou realizado pelo menos dez determinações de morte encefálica, ou que tenha realizado curso de capacitação para determinação de morte encefálica;

b) Um dos médicos capacitado para o diagnóstico de morte encefálica deverá ser especialista em uma das seguintes especialidades: medicina intensiva, medicina intensiva pediátrica, neurologia, neurologia pediátrica, neurocirurgia ou medicina de emergência.

c) Nenhum desses médicos poderá fazer parte da equipe de transplante.

LINKS

Resolução publicada no DOU em 22 dezembro de 2017.

Fellowship em Neurologia Vascular – UNIFESP

Atenção neuros interessados em AVC, Neurointensivismo e Doppler transcraniano.

Estão abertas as incrições para o programa de Neurologia Vascular da Disciplina de Neurologia da UNIFESP, em São Paulo.

Captura de Tela 2016-02-20 às 20.08.15  hsa  m2-dwi

Inscrições AQUI – Site oficial da UNIFESP – Pós graduação.

Serão três vagas, para um programa de duração de um ano que inclui reuniões clínicas conjuntas do grupo de Neurocirurgia, Neurointervenção e Neuroclínica Vascular, atividades práticas em atendimento ambulatorial e da fase aguda aos pacientes com doenças cerebrovasculares, manejo de pacientes neurocríticos em unidade de terapia intensiva neurológica (NeuroUTI com 9 leitos), e também no aprendizado e capacitação no exame complementar de Doppler Transcraniano.

Veja todos os detalhes no site acima, da Pós-Graduação da UNIFESP.

Brasileiros no Congresso Internacional da Neurocritical Care Society

Brasucas fazendo bonito este ano no Havaí, no congresso anual da Neurocritical Care Society.

havai-1havai-2

IMG-20171010-WA0018 (1)

IMG-20171010-WA0009 IMG-20171010-WA0008

Nosso atual presidente da ABNI, Pedro Kurtz, do Instituto Paulo Niemeyer, do Rio de Janeiro, Leonardo Manoel e Gisele Sampaio Silva, ambos de São Paulo, representaram bem o Brasil no encontro deste ano, participando ativamente com apresentação de aulas e coordenação de cursos.

Imagem relacionada  Imagem relacionadaImagem relacionada

Emergency Neurological Life Suport (ENLS) em São Paulo

Atenção aos interessados::: ENLS ao vivo no Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês na próxima semana, segunda-feira, pra quem quiser se certificar assistindo os módulos diretamente aqui no Brasil, sob a coordenação dos Drs. Pedro Kurtz, Gisele Sampaio e Fábio Machado, e com o apoio da Associação Brasileira de NeuroIntensivismo – ABNI.

Resultado de imagem para ENLS logo

Agenda

Dia: 28 de agosto de 2017, das 09.00 às 18h00.

Local: Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Rua Professor Daher Cutait, 69 – São Paulo, SP

Informações e inscrições: Portal do IEP do Sírio Libanês

O que é ENLS?

o ENLS é um curso idealizado nos moldes do ACLS da Cardiologia e afins, criado pela Neurocritical Care Society há alguns anos, com o intuito de disseminar a prática de protocolos clínicos para o atendimento das emergências em Neurointensivismo, e focado no atendimento durante as críticas primeiras horas das principais emergências neurológicas. A abordagem do programa é de colaboração, multi-disciplinar, e fornece diversos protocolos, check-lists, algoritmos de decisão clínica e as recomendações da melhor comunicação a ser utilizada no manejo do paciente crítico.

O ENLS consiste em 14 protocolos clínicos:
1. Fraqueza aguda não traumática
2. AVC isquêmico agudo
3. Traumatismo Raqui-Medular
4. Vias Aéreas, Ventilação e Sedação
5. Abordagem ao Paciente Comatoso
6. Hemorragia intracerebral
7. Hipertensão Intracraniana e Herniação Cerebral
8. Meningite e Encefalite
9. Farmacoterapia
10. Ressuscitação após parada cardíaca
11. Compressão da medula espinhal
12. Status Epilepticus
13. Hemorragia subaracnóide
14. Traumatismo crânio-encefálico grave

Neurointensivismo em Quito, Equador

captura-de-tela-2016-09-27-as-10-30-08

James Grotta.

Randal Chesnut.

Michael Torbey.

Jose Suarez.

Leonardo Manoel.

Gisele Sampaio.

Pedro Kurtz.

Jorge Paranhos.

Panos Varelas.

Adnan Qureshi.

Edward Manno.

Estas são algumas (não citei todas!!!!!!!) das feras que estarão em Quito em Novembro, agora!!!!!! Quem quiser ver todos os palestrantes, clique AQUI e poderão ver o alto nível do evento…

LINKS

III Simposio Internacional de Cuidados Neurocríticos e Investigación

Local: Universidad San Francisco de Quito – Quito, Equador.

Quando: 21 a 23 de novembro de 2016.

Programa

 

Manejo neurointensivo do hematoma intracraniano na Critical Care

tags: hematoma intracraniano, AVCH, manejo neurointensivo, NeuroUTI, expansão do hematoma, tratamento do AVCh, pressão arterial no AVCh

Artigo show do colega Leonardo Manoel, na Critical Care deste mês. Trata-se de uma revisão super atualizada do manejo de pacientes com hemorragia intraparenquimatosa, o AVCh, abordando a fase crítica destes pacientes, como a estabilização inicial, diagnóstico, graduação de severidade dos casos, manejo da pressão arterial e expansão do hematoma.

AVCH-expansao
O artigo está com acesso aberto na revista.

LINKS

de Oliveira Manoel et al. The critical care management of spontaneous intracranial hemorrhage: a contemporary review. Crit Care 2016.

RESCUE-icp publicado na NEJM

Hipertensão intracraniana refratária em casos de trauma craniano grave. Esta dica de trial publicado veio do nosso colega Dr. George Passos, residente da neurocirurgia da Santa Casa de Ribeirão Preto, neurocirurgião diferenciado, sempre ligadíssimo nos papers e estudos clínicos mais quentes.

Primeira observação minha: A NEJM quer acabar com a Neurotraumatologia mundial. Só pode ser…

DECRA negativo. BEST-TRIP negativo.

Agora, RESCUE-icp negativo. Tá certo. A gente já sabia, os dados já tinham sido apresentados em congressos. Mas tinha que ser de novo na NEJM???!!!! Jesus…

A neurocirurgia tem que benzer essa revista. Por Deus!!!!!

O estudo RESCUE-icp avaliou um grande número de pacientes com TCE grave, que desenvolveram hipertensão intracraniana e não responderam à terapia clínica inicial universalmente preconizada – cabeceira elevada, normoventilação, sedação e analgesia (com ou sem paralisia muscular) e monitorização da PIC com manejo da PPC e PIC com ventriculostomia e osmóticos, incluindo também terapia com hipotermia.O artigo detalha estes tratamentos e os estadios no passo a passo do manejo de hipertensão intracraniana.

A leitura do paper é muito legal. Já vale super a pena pela aula de como tratar hipertensão intracraniana. Tem uma figura muito legal do algoritmo usado no trial. E a terapia médica no grupo controle envolvia o uso de barbiturados apenas em ÚLTIMA ANÁLISE…

Atenção. Letrinhas garrafais de “recadinho” para os amigos neurocirurgiões que ADORAM entrar com tionembutal no minuto zero de tratamento de HIC…

Resultados.

O trial estudou pacientes de 10 a 65 anos com TCE grave, TC crânio anormal e monitor de PIC locada, que evoluiam com PIC > 25mmHhg refratária entre 1 a no máximo 12 horas. Foram randomizados 408 pacientes em 52 centros, sendo 71% dos casos na Grã-Bretanha.
Nos desfechos primário e secundários medidos, cuja variável principal foi a escala funcional Glasgow Outcome Scale (GOS) extendida, a terapia ativa – que consistia em craniectomia descompressiva, podendo ser unilateral (hemicraniectomia) ou bifrontal, resultou em expressiva redução da mortalidade, mas com desvio dos pacientes que não morreram para estágios da e-GOS entre incapacidades mais severas (estado vegetativo ou incapacidades piores – veja tabela abaixo). No final da história, bons desfechos foram similares nos dois grupos de tratamento.


Conclusão

Depois do fiasco do estudo DECRA — que, detalhe, usou apenas craniectomias bifrontais, esse trial seria uma esperancinha no fim do túnel para a craniectomia descompressiva, e acabou morrendo na praia também… Outro detalhe importante é que o cirurgião poderia escolher entre hemicraniectomia ou craniectomia bifrontal, e esta última modalidade foi usada em 63% dos casos.

Falem pra mim!!!!! O estudo DECRA já tinha mostrado que isso não dava certo, e a galera resolve insistir na coisa????

E outra crítica que pode ter melado o estudo foi a possibilidade de poder se fazer craniectomia em fases finais no grupo de tratamento clínico, e isso ocorreu em 37% deste grupo!!!!

Conclusão básica do Abstract do RESCUE-icp:

“At 6 months, decompressive craniectomy in patients with traumatic brain injury and refractory intracranial hypertension resulted in lower mortality and higher rates of vegetative state, lower severe disability, and upper severe disability than medical care. The rates of moderate disability and good recovery were similar in the two groups. “

Ou, traduzindo: Deixa de morrer, e estes que não morrem ficam em estado vegetativo ou altamente dependentes. É mole?!?!?! Não sei se sento e choro, ou se comemoro.
Comemoro porque este campo continua aberto a novos estudos. Realmente, ainda em 2016, acreditem, ninguém sabe bem o que fazer com estes doentes…

LINKS

Hutchinson et al. Trial of Decompressive Craniectomy for Traumatic Intracranial Hypertension. NEJM 2016.

Shutter & Timmons. Intracranial Pressure Rescued by Decompressive Surgery after Traumatic Brain Injury. NEJM 2016.” . Editorial.