Amnésia Global Transitória

Tags: Amnésia lacunar; Amnésia global transitória; amnésia transitória; perda de memória repentina; amnésia repentina.

Por Maramélia Miranda ** (Atualizado Setembro de 2018)

O que é Amnésia Global Transitória??? É um quadro neurológico onde ocorre uma súbita perda da memória e da orientação temporal e/ou espacial, e cuja causa não está associada às condições neurológicas mais comuns, como epilepsia ou AVC. O sintoma principal é a pessoa ficar, de repente, desorientada, sem saber onde está ou o que está fazendo. Os maiores fatores de risco conhecidos para a amnésia global transitória são a idade, geralmente ocorrendo em maiores de 50 anos, a ocorrência de episódios de estresse ou esforço físico antes do evento, e é comum ocorrer em pessoas com antecedentes de enxaqueca.

Sintomas. Durante o episódio de amnésia global transitória (AGT), o sintoma principal é a pessoa geralmente não saber onde está, ou onde estava, o que estava fazendo ou qual atividade iria fazer; os sintomas começam de forma súbita, e muitas vezes a pessoa afetada fica fazendo perguntas de forma repetitiva, esquecendo no minuto seguinte o que acabou de falar, mas permanecendo com a linguagem, coordenação, fala e a força muscular totalmente normais. Ocorre uma falha na habilidade de guardar novas memórias, e de recordar fatos da memória recente. Não há alteração na autopercepção, de quem são ou das pessoas que conhece, apenas uma alteração da memória em relação aos fatos ou lugares, ou até algumas pessoas conhecidas, na maioria das vezes levando a questionamentos e intensa preocupação de como é que pode estar acontecendo aquela falha da memória de forma tão estranha e repentina.

O quadro dura geralmente algumas horas, e há uma recuperação gradual e lenta, quase nunca ultrapassando 24 horas.

Durante o episódio, o ideal é que haja alguém da família ou amigos que testemunhem os fatos ocorridos, para que depois possa ser caracterizado o quadro como sendo AGT, uma vez que os pacientes não saberão explicar ao neurologista o que aconteceu durante e ao final dos sintomas, em virtude da falha lacunar da memória naquele período de horas.

Quando o episódio de AGT termina, o paciente geralmente não se lembra de nada do que aconteceu, e não consegue recuperar algumas memórias de horas antes do início do quadro. Muitos pacientes podem começar a relembrar em forma de “flashes”, algumas coisas do evento, sendo extremamente raro a pessoa acometida voltar a se lembrar de tudo do ocorrido.

Fatores de risco.Um dos fatores de risco mais recentemente relacionados à AGT é a insuficiência venosa jugular, condição onde há um retorno do sangue pelas veias jugulares, em direção contrária do seu fluxo habitual, ocasionando ingurgitamento da circulação venosa no cérebro, e sendo esta fisiopatologia a causadora de edema e da falha dos mecanismos de memória nas regiões temporais, mais especificamente dos hipocampos. Nesta linha de fisiopatologia, a ocorrência de crises de AGT relacionadas a grande estresse, brigas, discussões, esforços físicos, durante ou após realização de academia, atividade física ou relação sexual, atividades físicas em geral, pegar muito peso, crises de diarréia, ou de constipação, crises de vômitos recorrentes, ou seja, todas estas condições onde o nosso organismo responde com um aumento da pressão intra-abdominal, a chamada manobra de Valsalva, tem sido fatores bastante correlacionados à AGT nos últimos anos.

Como é feito o diagnóstico? Para o correto diagnóstico da AGT, é necessário, portanto, haver:

  • perda temporária da memória, presenciada por uma testemunha, durando algumas horas; 
  • cognição normal (habilidade de reconhecer objetos pessoais, dirigir carro, ou seguir comandos simples, por exemplo);
  • identidade pessoal e reconhecimento de pessoas conhecidas e familiares intacta, apesar da perda aguda da memória;
  • ausência de sinais indicando uma lesão particular no cérebro, como, por exemplo, fraqueza em algum membro do corpo, boca torta, fala enrolada, dormências, movimentos involuntários ou déficit de linguagem;
  • duração do evento não mais do que 24 horas, sempre com retorno gradual da memória;
  • sem evidência de epilepsia ou crise convulsiva durante o episódio, mesmo que do tipo parcial ou parcial complexa, e sem antecedentes de epilepsia ou trauma craniano recente.

A AGT é uma condição que não costuma deixar nenhuma sequela ou alteração na memória dos pacientes, após o término dos sintomas. Estes dados são fundamentais para tranquilizar os pacientes e suas famílias.

Exames complementares. Os testes diagnósticos a serem realizados incluem exames para investigar um possível AVC ou episódio epiléptico: tomografia e/ou ressonância magnética da cabeça, angiorressonância da cabeça, triagem para fatores de risco cardio e cerebrovasculares, e um eletroencefalograma (EEG) para descartar doença ou episódio de origem epileptogênica. É importante a investigação de fatores psicossomáticos e transtornos psiquiátricos associados, que costumam se relacionar à ocorrência de AGT.

Um exame que recentemente tem sido descrito com alterações em pacientes com AGT é a pesquisa de insuficiência venosa crônica, através do ultrassom venoso cervical para investigar esta condição. O problema é que são poucos os lugares que realizam este exame.

Tratamento. Na fase aguda, na hora dos sintomas de alteração da memória e orientação, não há tratamento específico, apenas resguardar e tranquilizar o paciente para que não faça nada “errado”, sem perceber. Geralmente a recuperação ocorre ao longo das horas subsequentes ao início do quadro. Após a análise dos exames complementares, a terapia é direcionada conforme a possível causa, se esta foi de alguma forma identificada: na possível etiologia vascular, costuma-se prescrever antiagregantes plaquetários; caso seja um episódio com suspeita de evento epiléptico, indica-se o uso de anticonvulsivantes. Casos relacionados a transtornos psicológicos / psiquiátricos costumam responder bem ao tratamento das comorbidades psiquiátricas associadas. Em situações onde é feito o diagnóstico de insuficiência venosa crônica, medidas para evitar a ocorrência deste refluxo jugular podem ser realizadas (tratamento de constipação, evitar treinos com mudanças súbitas de intensidade física, treinamentos em crescendo, etc…).

 

** Dra. Maramélia Miranda é neurologista da UNIFESP-EPM, especializada em AVC e Doppler Transcraniano, editora do blog iNeuro.com.br.

154 thoughts on “Amnésia Global Transitória”

  1. Excelente material , me ajudou bastante a leitura.
    Hoje acordei achando que era sábado, por uma hora fiquei planejando minhas tarefas de sábado….
    Quando de repente me dei por conta que era sexta feira.
    Fiquei surpresa em ficar tanto tempo achando que era um dia depois.
    Seria normal?

  2. Se ele estava dormindo e aparentemente “acordou”, pode ser distúrbio do Sono REM, na verdade ele está dormindo e faz coisas inconscientes (e não se lembra!), mas não e sonambulismo. Procure um neurologista mais antenado.

  3. Meu marido no periodo de 15 dias acordou sem memória duas vezes, a primeira vez ficou sem saber de nada umas 3 hs, a segunada vez durou quase oito hs, as duas vezes foi voltando lembrando aos pouco, mas as horas sem memória não lembra de nada, fica normal depois do evento e noto que fica envergonhado quando pergunto de tudo que se passou essas horas, sinto muita tristeza, quase insuportável para mim. Fez tomografia de crânio não deu nenhuma alteração, o médico foi cluel deu o diagnóstico de Alzheimer, disse isso sem um pingo de dó, fiquei chocada com a frieza do profissional, Será que pode ser demência mesmo?? As duas vezes que ocorreu esse evento foi identico com o relato da Dra. ( Amnésia Global Transitória ) Queira Deus que não seja “O Alzheimer” Será que um dia isso vai desaparecer? ´´e um homem ativo esperto, 65 anos, mas muito conservado, sempre cuidou de tudo sem esquecer de nada, homem ativo, servo de Deus, homem valoroso, Deus à de cuidar dele, espero um milagre de Deus.

  4. Meu marido no periodo de 15 dias acordou sem memória, a primeira vez ficou se saber de nada umas 3 hs, a segunada vez durou quase um dia inteiro, as duas vezes vou voltando lembrando aos pouco, mas as horas sem memória não lembra de nada, fica normal depois disso. Fez tomografia de crânio não deu nenhuma alteração, o médico foi cluel deu o diagnóstico de DEMENCIA, disse isso sem um pingo de dó, fiquei chocada com a frieza do profissional, Será que pode ser denmencia mesmo??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *