Síndrome das Pernas Inquietas

Por Maramélia Miranda**. Atualização em Junho de 2018.

Tags: pernas inquietas, distúrbio do sono, dormência nas pernas, síndrome das pernas inquietas, pernas irriquietas, restless leg syndrome,

 

A Síndrome das Pernas Inquietas ou irriquietas (SPI) é uma doença neurológica que se caracteriza pela sensação desconfortável sentida nos membros inferiores, quando se está em posição sentada ou deitada, com a necessidade urgente de levantar-se, caminhar ou movimentar as pernas.  A SPI pode começar em qualquer idade, mas costuma acometer adultos na maturidade, e piora com o envelhecimento. Pode causar distúrbios do sono, levando à sonolência durante o dia, e ser um fator de estresse durante as atividades de vida diária dos indivíduos acometidos, sobretudo em relação às atividades sociais, de trabalho e lazer.

Sintomas

Os sintomas mais comuns variam conforme o tipo de acometimento e queixas referidas pelos pacientes, e podem incluir:

  • Sintomas diurnos: Começam durante uma parada de atividade das pernas durante alguma atividade do indivíduo, quando se está deitado e parado, ou sentado por algum tempo, como, por exemplo, numa missa, apresentação, aula, palestra ou evento afim, em um teatro ou cinema. Esta sensação pode ser descrita de várias formas, como “coceira”,  “alfinetadas”, “comichão”, “formigamento”, “agonia”, “friagem”, “pernas querendo movimentar-se sozinhas”, etc. Os sintomas são aliviados pelo movimento, desde o simples esticar das pernas, até, mais frequentemente, o levantar e andar um pouco. Entretanto, algumas pessoas podem combater as sensações apenas balançando as pernas ou batendo os pés no chão. Estas formas de aliviar os sintomas principais é que deram o nome à síndrome (pernas irriquietas).
  • Piora dos sintomas à noite. Uma boa parcela dos pacientes apresentam os sintomas mais neste período do dia, com queixas de dificuldade em pegar no sono, por causa da sensação ruim assim que deitam-se na cama para dormir. Outros casos, entretanto, podem ter uma associação desta dificuldade ou insônia inicial, com a presença de movimentos ritmados nas pernas durante o sono mais profundo, situação que pode caracterizar o transtorno de movimentos periódicos do sono. Nestes casos, é comum a queixa de sonolência durante o dia.

Como ter esse diagnóstico?

É baseado nos sintomas referidos pelos pacientes, geralmente bem característicos, e na forma de alívio encontrada na história apresentada. Algumas condições são consideradas fatores de risco para o desenvolvimento da SPI, como história de algum familiar com a doença, a gravidez, que pode desencadear a abertura dos sintomas, deficiência de ferro, neuropatias periféricas e distúrbios metabólicos, como a insuficiência renal crônica.

Para o correto diagnóstico da SPI, o Grupo de Estudo Internacional em SPI – ” International Restless Legs Syndrome Study Group” – considera a presença de SPI quando há os quatro ítens descritos abaixo:

  • – Presença de forte, urgente e irresistível vontade de mover as pernas, acompanhada de sensação de desconforto destas. As sensações podem ser descritas como: formigamento, espetadas, ferroadas, repuxões, coceira ou agonia.
  • – Os sintomas se iniciam ou pioram quando do repouso, em posição sentada ou deitada.
  • – Os sintomas melhoram parcial e temporariamente com a atividade, como andar ou esticar as pernas.
  • – Os sintomas são mais intensos à noite.

Exames de sangue ou testes de condução nervosa e/ou muscular (eletroneuromiografia) podem ser realizados para excluir outras causas de SPI. A polissonografia, embora não necessária para a confirmação clínica, costuma ser pedida por causa da associação frequente da SPI com movimentos periódicos do sono. Na maioria dos casos não se identifica uma causa básica para a ocorrência da SPI.

Como tratar a Síndrome das pernas Irriquietas?

O tratamento baseia-se no uso de medicações para o alívio dos sintomas e melhora da qualidade de vida, sobretudo no aspecto do sono, para aqueles com as formas mais noturnas, e no aspecto social, para aqueles com sintomas mais diurnos, de inquietação das pernas quando do repouso, em eventos no trabalho ou atividades de lazer, como em viagens de avião, por exemplo.

Geralmente são usados medicamentos como o pramipexole, a levodopa / benzerazida, a gabapentina e diazepínicos. Estudos controlados publicados em 2012 observaram boa resposta ao tratamento com pregabalina. A reposição de ferro ou o tratamento da neuropatia periférica é realizada nos casos específicos com estas alterações.

O prognóstico e a evolução dos pacientes com SPI é bom, e a doença não costuma ter complicações a longo prazo. A informação sobre a doença aos pacientes e familiares é muito importante, para se evitar a peregrinação em diversos médicos e especialistas, e a realização desnecessária de muitos exames diagnósticos, à procura inadvertida de alterações reumatológicas ou da circulação nas pernas, exemplos não tão incomuns de acontecer.

 

 

** Dra. Maramélia Miranda é neurologista com com residência e pós-graduação realizados na UNIFESP-EPM, especializada em AVC e Doppler Transcraniano, e editora do blog iNeuro.com.br.

115 thoughts on “Síndrome das Pernas Inquietas”

  1. Finalmente achei algo falando sobre isso!! Desde criança eu sinto um incomodo muito grande quando meu pé direito fica parado, principalmente na hora de dormir. Eu falava que “meu pé tava enchendo o saco” kk hoje em dia na hora de dormir passo horas estralando meu pé e isso atrapalha muito na hora de dormir pq fica esse incomodo e já não sei o que fazer.

  2. Olá Gente ! Já faz algum tempo que estou sentindo estes sintomas , é uma sensação tão ruim na perna que se movimenta
    Como se eu não controlasse minha perna . E agora estou com muita insônia 😔 agora sei que posso estar doente .

  3. Na minha família, minha vó materna tinha, minha mãe tem e eu tbm…descobri ha alguns anos que tinha nome. Sofro desde a infância com dores e inquietações nas pernas. Agora ja com 34 anos comecei a observar mais. Consigo notar que a noite sempre piora o que vem me atrapalhando o sono bastante , alem disso 98% das veses é sempre minha perna esquerda e no período pré menstrual piora muito. Nunca fiz nenhum tratamento, na infância quando sentia a dor tomava um remedio chamado benzitrat, porem hoje o mesmo serve para outras patologias e não para isso. Qual profissional devo procurar para tratamento??

  4. Acho que encontrei minha tribo!
    Faz 1 ano que tenho a sensação que dentro de mim há algo encolhendo, então sinto uma necessidade imensa de ficar me esticando, puxando meu corpo, tenho dores em todo lugar e melhora qdo estou em pé, principalmente fazendo coisas. Meus braços coçam que arranco o coro na unha. Tenho vontade de morrer pq nao sei o que fazer. Não tenho dinheiro pra ir no médico. Espero conseguir um encaminhamento para algum especialista pela rede pública, mas ainda falta 40 dIas para a data do clínico Geral. Tenho pedido a Deus que me ajude, pois não vejo mais saída para este problema. É perturbador, não tenho vontade mais de viver.
    Não haverá paz em lugar nenhum mais com esse problema.

  5. Estou com esses sintomas na perna esquerda é uma agonia e acontece sempre durante a noite quando deito para dormir, dá uma vontade de arrancar a perna pq incomoda demais!! Já aguento mais isso.

  6. Olá, vim pesquisar os meus sintomas, e vim aqui parar. Pois é, tenho uma sensação nas pernas que me deixa muito desconfortável, acordo a meio da noite e tenho de esticar as pernas fazendo pressão com os pés para cima, sinto alívio e depois repito este movimento muita vez.

  7. Tenho isso a 15 anos . Voltou mais forte.Toda a noite sinto essa irritação. Mais no tornozelo direito e perna . Caindo de sono tenho que levantar. Mas as veses perco o sono também.
    Como Curo isso?

  8. Sofro de neuropatia periferica, tomo ETNA de 5mg, comecei sentir frieza, agonia , amortecimento, e formigamento nos pés, pernas e coxas. Acho qua a medicacao não está fazendo efeito. Meu médico disse que não tem cura. O que eu faço?

  9. Não sei se vou ajudar alguém e também não sei se o que vou dizer vale só para mim… Eu sofro, nem sempre, com esta inquietação das pernas e mais, um comichão no corpo, é um desconforto geral… As mãos tendem a fincar no braço do sofá e também me dá uma coceira na cabeça… Enfim é um desconforto geral… Não dá para explicar… Quando isto acontece eu tomo duas Neosaldinas (dipirona+cafeina+ isometepteno) e melhora quase que instantaneamente… Veja, não é sempre que acontece comigo, jamais tomaria cotidianamente este remédio… Se fosse frequente com certeza procuraria outra alternativa médica… Tem um truque para as pernas nervosas., colocar um travesseiro entre elas e/ou ligar o ventilador direcionando para elas… Espero ter ajudado… Não vão “me encher a cara de Neosaldina” ok Procurem um médico… Meu caso é particular, não podemos generalizar…

  10. Olá, boa noite! Tenho 38 anos e desde os 20 sinto essa agonia nas pernas. Estou fazendo tratamento com uma neura e tomando QUERA LP. Não gosto de tomar remédios mas é o único metendo pra conseguir dormir melhor. Pois já fiz várias outras tentativas com exercícios e atividades físicas.

  11. Boa tarde sou a ana sofro de ansiedade stress depressão irritabilidade insónias pernas agitadas se tiver deitada para dormir ou no sofá ou de pé tou sempre a movimentar não paro quieta cansaço físico e emocional mau humor falta de concentração perda de memória ronco agitação enquanto ao dormir sonolência diurna excessiva/noturna boca seca dores de cabeça matinais

  12. Sinto muita dor do joelho pra baixo, mais forte são nós tornozelos dá vontade de quebra-los.
    As dores são piores a noite,tem duas q fico rolando de um lado pra o outro.
    Só girando os tornozelos pra aliviar a dor.
    Não procurei médico ainda…. mas tô preocupada.

  13. Olá, sinto uma coceira, que vem de dentro. Não fica vermelho. E com gelo dá uma aliviada. Não sei mais o que fazer. Fiz exames e a alergista me passou loratadina. Mas não adianta nada.

  14. Essa síndrome desencadeou depois q comecei a trabalhar em escritório!!! Certa vez fiquei tão incomodada q tentei cortar minha perna esquerda com uma serra

  15. Boa tarde,
    Sofro de SPI, tenho 67 e desde jovem, faço uso do Sifrol muitos e muitos anos, comecei com 0,25 mg e hoje 1 mg. Sinto dor, formigamento, durmencias, queimacoes e vários sintomas. As vezes tenho que levantar e almoçar de pé. SPI é terrível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *