Hidrocefalia de Pressão Normal ou Hidrocefalia crônica do adulto

tags: hidrocefalia de pressão normal, tratamento, cura, tomografia, HPN, causas de demência, demência, marcha, líquor, cirurgia

Por Maramélia Miranda ** Atualizado em Outubro 2015

Também conhecida como HPN, sigla do termo “hidrocefalia de pressão normal”, a HPN é uma doença que ocorre em pessoas idosas, por causa de uma desregulação do sistema de produção do líquor cefalorraquiano (LCR) e da capacidade de reabsorção deste líquido no cérebro, levando ao acúmulo do LCR dentro das cavidades cerebrais, chamadas ventrículos.

Sinais e Sintomas da HPN

Os sintomas mais comuns de alteração da marcha, dificuldade de memória e incontinência urinária e/ou fecal é a tríade mais conhecida da doença, mas que está presente por completo apenas em casos mais avançados. É importante suspeitar da HPN quando o indivíduo tem pelo menos dois destes sintomas, junto com os achados característicos da tomografia ou ressonância magnetica (RM) do cérebro.

O paciente pode se queixar de alteração do equilíbrio, ou simplesmente começar a ter quedas repetidas, sem causa aparente, ou lentificação do andar. Muitas vezes o paciente descreve o sintoma da marcha como labirintite ou tonturas. As alterações de memória podem simular quadros de demências, como a Doença de Alzheimer, com confusão mental, desorientação e lentificação do pensamento, esquecimento frequente de fatos recentes, ou quadros depressivos, com sintomas puros de memória e apatia.

Exames Complementares que o neurologista deve solicitar

O diagnóstico da HPN é feito com base na associação destes sintomas de marcha (quedas e alteração para andar), memória (sintomas de demência) e urinários / fecais (perda de urina ou fezes em paciente que não tinha estes eventos). Outros exames são importantes:

— Tomografia do crânio – Já pode mostrar a presença de dilatação dos ventrículos.

— Ressonância magnética do crânio – Detecta com bastante sensibilidade o extravasamento do LCR no cérebro próximo aos ventrículos, bem como a dilatação / hidrocefalia.

— Ressonância magnética do crânio com estudo de fluxo liquórico – É um tipo específico de ressonância pode ajudar na confirmação do diagnóstico da HPN, quando demonstra o fluxo lento do LCR dentro dos ventrículos. Entretanto, este tipo de RM não é muito disponível.

— Exame de LCR com Tap-Test – Consiste na retirada de grandes volumes de LCR (entre 30-40ml) numa mesma punção liquórica. Este exame pode ajudar na investigação da HPN, quando, após a retirada deste LCR, ocorre uma melhora dos sintomas apresentados pelo paciente. Nestes casos, o diagnóstico fica mais provável, e pode ser um indicativo de que este paciente melhorará com a derivação (colocação de válvula).

— Exame de LCR com testes de biomarcadores para demências (Alzheimer) – Na mesma coleta de LCR para retirada (drenagem), podem ser feitas dosagens de alguns biomarcadores para demências, recentemente adicionados à propedêutica destas doenças, como proteína beta-amilóide, proteína Tau total e Tau-fosforilada. Quando se suspeita que o paciente tenha um tipo de demência degenerativa (Alzheimer, Pick, Levy, fronto-temporal) ou a mistura de alguma destas demências com HPN, estes exames podem ajudar no raciocínio do diagnóstico. A desvantagem deles é o seu alto custo (cerca de R$ 2000-3000,00) e pouca disponibilidade dos laboratórios para realizá-los.

Tratamento

A suspeita de HPN deve ser exaustivamente pesquisada justamente porque, dentre as demências, é um tipo com potencial tratamento e melhora.

Uma vez feito este diagnóstico, seu tratamento definitivo é a cirurgia, que consiste na colocação de uma válvula que comunica o ventrículo cerebral com a cavidade abdominal, para drenar o líquor que está sendo produzido em excesso (ou menos absorvido). Esta cirurgia é chamada de colocação de derivação ventrículo-peritoneal, realizada por neurocirurgiões. Tecnicamente, é uma cirurgia bem simples, com baixos índices de complicações e relativamente segura.

** Dra. Maramélia Miranda é neurologista com formação pela UNIFESP-EPM, especializada em AVC e Doppler Transcraniano, editora do blog iNeuro.com.br.

171 thoughts on “Hidrocefalia de Pressão Normal ou Hidrocefalia crônica do adulto”

  1. Boa noite. Me chamo thais tenho hidrocefalia gostaria de saber se e cronica se posso tomar ja a vacina da covid

  2. Dra,me chamo Simone coloquei uma dvp em 2016, pois ja apresentava problemas como defecar, urinar, falta de equilíbrio e perda de memória recente, deu na ressonância e a médica colocou a dvp, mas de uns meses para cá, tenho sentido muitas dores de cabeça, vou ao banheiro urinar direto, e perda de memória, mas tinha plano, hj dependo do Sus, fiz uma tomografia que acusou que estou com dilatação acentuada dos ventrículos, e sinto dor na região da válvula, será que preciso de trocar ou regular minha válvula. Pois não consegui um neurocirurgiao, é fui ao neurologista. O que significa essa dilatacao acentuada dos ventrículos.
    Obrigada

  3. Paciente diagnosticada com HPN com Tap Test a realizar. O convênio da Cruz Azul não cobre o procedimento.
    O que devo fazer?

  4. Boa tarde Dr, meu nome é Marluce Sousa.
    Ah 6 anos fui diagnosticada com Hodrocefalia, onde passei mal em casa tive convulsões dormindo e desmaiei.
    Fui levada correndo para o hospital da cidade onde morava, e lá fiquei aguardando apagada surgir uma vaga em outro hospital onde tivesse mais recurso ao meu caso. Chegando no hospital com mais recurso fui submetida à cirurgia onde eles colocaram o DVP em meu cérebro.
    Fiquei 9 dias em coma e quando acordei ñ abria meu olho direito, fiquei em tratamento médico internada por 1 mês e depois liberada e fazendo acompanhamento médico por algum tempo. Mais eu até hj sinto muita dor onde foi feito minha cirurgia, tenho dificuldade de deitar, pular, espirrar e tossir é uma dor horrível. Até hj pergunto para outros médicos neurocirurgioes se essa dor é normal pq ñ tenho minha vida como antes.
    Isso é claro pq cirurgia sempre muda o nosso corpo. E eles simplesmente me falam que é sequelas e ñ tem oq fazer.
    Eu à 6 anos vivo tomando Gardenal e Fenitoina 100mg e para aliviar um pouco minha dor tomo por dia 2 à 3 gramas de Dipirona complimido .
    Mais minha preocupação maior é que com frio ou sol meu pé e pernas incham muito, e creio eu que ñ pode ser retenção pq vou ao banheiro de dez em dez minutos 😔que é até chato as vezes.
    Fico com medo que possa ser uma pressão intracraneana pois sinto onde operei pulsar demais e chega até doer.
    Será que a senhora poderia me dizer oq posso fazer .
    Obrigada

  5. Para contribuir com outras pessoas, que como nós da minha família, passaram e estão passando por muitas dúvidas. Meu pai, 82 anos, teve dificuldade de marcha por mais ou menos 12 meses. A maioria dos médicos estavam concluindo pela compressão da coluna, em 2 lugares (lombar e cervical). Isso nos atrasou por vários meses e tava caminhando para cirurgia na coluna.

    Depois, em Goiás, com outros médicos, fizemos o tap test e meu pai caminhou, no segundo dia de retirada do líquor da lombar, sem bengala e sem ajuda, coisa que não fazia há 10 meses. Concluimos pela hidrocefalia e decidimos pela cirurgia. Daí, foi cogitada 2 opções, a cirurgia sem colocação de válcula (abertura de uma nova passagem do líquor) e colocação de válvula.

    Decidimos colocar a válcula, pela possibilidade maior de melhora (80%). Daí veio uma outra decisão: a) válcula regulável (o médico regula), mais barata; b) válvula auto-regulável (regula sozinha). Decidimos pela última (regula sozinha). O plano não quis cobrir (cobrir só a mais barata, menos de 2 mil reais), pois era mais moderna, mais cara (custou 23 mil reais).

    Colocamos a auto-regulável (23 mil). Apesar de todo o nosso esforço, o resultado não veio. Aparentemente, meu pai está com mesma dificuldade de marcha (dependendo de bengala).

    Depois de muito pesquisar, acreditamos que há algum problema (obstrução, desconexão, saiu do lugar na cabeça ou no peritônio etc.).

    Neste momento, estamos tentando descobrir o que fazer, para agir o mais rápido possível.

    Uma coisa que aprendi mais de um ano é: pesquise muito, converse, procure todas as opiniões que acharem.

    Grande abraço e Deus ilumine as decisões e ações de todos nós, pacientes e médicos!

  6. Coloquei minha válvula em 1998 aos 11 anos.
    Em 2000 precisei recolocar a válvula .
    Hoje tenho 33 anos e estou ótimo .Vida normal desde que coloquei a válvula.
    Agradeço a Deus pelos médicos que me ajudaram .

  7. Minha esposa colocou uma válvula CADMAN HAKIM em 2015 e na ocasião foi regulada em 90 mHg.
    Atualmente vem caindo, apresentando incontinência urinária e forte esquecimento dos fatos atuais.
    Será que estaria havendo necessidade de uma nova regulagem da válvula?
    Em caso positivo, demandaria internação?
    Obrigado.

  8. Boa tarde me chamo isabelly tenho 23 anos já fiz três procedimento cirúrgico e a 2anos uso a válvula, gostaria de saber se eu poderia engravidar.

  9. Olá Dra, minha mãe tem 61anos ela tem hidrocefalia, já não está quase se movimentando, os médicos não falam nada sobre colocar a válvula nela ,queria saber o porquê?!!

  10. Meu pai tem hidrocefalia de pressão normal. Qual exame preditivo eu poderia realizar para descobrir se sou portadora desta doença. e com isso tomar medidas preventivas para evitar ou amenizar a mesma?
    Grata

  11. tenho hidrocefalia de pressão alta.Posso tomar a vitaminaD3 de 50.000ui?

  12. Ola. O meu esposo ele tem 36 anos. Ha 3 anos ele colocou essa valvula. O que eu percebi,que as vezes. Ele fica sem enxerga. E normal?

  13. ROSI, nao posso dar opiniao com este tipo de informação. Para opinar sobre um caso concreto, é necessário avaliar historico, sintomas, lista completa de medicacoes, porque está usando-as, ver os exames feitos, em detalhes, saber o porque foram solicitados, etc. Sugiro que vc marque consulta, agora pode ser por telemedicina, ou busque retirar suas duvidas com o neuro que o atende em sua cidade.

  14. Olá Dra queria muito sua opinião meu esposo tem 38 anos está sofrendo com muita perda de memória recente fizemos uma punção lombar e deu tudo normal exceto as proteínas beta amiloide altas e tau e fosfo tau tmb aumentadas . Ele sofre com muito dor de cabeça e tomar donepezila há 1 ano o que poderia ser o problema dele

  15. Simone, Não é possível prever o que irá acontecer após a válvula. há pacientes que não melhoram, outros que pioram, e os que melhoram ou pelo menos estabilizam.
    Impossível prever.

  16. A minha indagação é a mesma do Cosme . No dia seguinte a colocação da válvula , caminhou bem , estava com a cognição boa , saiu do hospital caminhando quase igual antes e achei a cognição pior , o médico vai mexer na pressão da válvula daqui 2 semanas para evitar hematomas . É possível ser isso? Por favor , nos responda , vi que não há uma resposta aos comentários e perguntas . Agradeço se puder dar sua opinião

  17. meu filho Raziel fez uma cirurgia para colocar outra válvula só que antes de colocar a válvula devido a pressão ele ficou sem enxergar mais ele enxergava.e já tem 19 dias que ele colocou a Válvula e n esta enxargando ainda .ele vai voltar a enxergar

  18. Boa tarde Doutora!
    Por gentileza, a minha mãe colocou a válvula a 10 dias; ela tema a idade de 78 anos, foi diagnosticada com hidrocefalia com Pressão Norma.
    No teste do Tap tes ela chegou a andar bem melhor sem se segurar em nada praticamente.
    Agora após a cirurgia ela ta com mais dificuldades de andar e a parte cognitiva dela não melhorou, mas até piorou.
    O que pode ser isso: será que é preciso regular a válvula? Essa piora é normal no inicio? POr favor me orienta…
    Obrigado

  19. Meu pai de 79anos teve o diagnostico de hidrocefalia e foi feito pelo neuro o pedido de cirurgia, pela idade quais as chances de cura ?

  20. Meu exame tc de crânio por contraste apresentou leve ectasia dos ventrilocos laterais devo me preocupar? Médico falou que nada que deva me preocupar. Isso está certo ?

  21. minha mãe tem hidrocefalia, porém o corpo dela não aceita a válvula, em 2003 tentaram duas vezes e drena demais. Agora ela esta com a marcha lenta, com muita dificuldade de andar e desiquilibrio total.. Existe outro tipo de tratamento medicamentoso que possa ajudar ela a ter um pouco mais de estabilidade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *