Primeira Mobile Stroke Unit do Brasil: Em Brasília!!!

Um marco no atendimento ao AVC no país, certamente.

A rede de Hospitais Santa Lúcia, em Brasília, lançou esta semana a primeira ambulância com TC portátil dentro, a chamada Stroke Mobile Unit, ou Unidade Móvel de AVC, que é capaz de fazer a imagem do paciente em transporte, acelerando o seu atendimento, como por exemplo, a administração de trombólise endovenosa em casos elegíveis de AVCi agudo.

Vejam o anúncio do grupo, em seu primeiro acionamento, esta semana:

“Boa noite, pessoal. Hoje tivemos o primeiro acionamento da nossa Unidade AVC Móvel. Só lembrando, é a primeira “mobile stroke unit” do Brasil, a qual além de contar com toda equipe e equipamentos de uma unidade avançada pré-hospitalar, conta também com um tomógrafo 8 canais e suporte de telemedicina com equipe de neurologia/neurorradiologia/neurocirurgia 24h/7d. Se indicação de trombólise, ela já será iniciada dentro da ambulância, e com isso conseguiremos reduzir o tempo ictus – agulha, o que tende a impactar em melhor desfecho clínico desses pacientes. Tenhamos todos muito orgulho do pioneirismo do nosso Hospital Santa Lúcia!!!! Hoje é um dia histórico no combate ao AVC no Brasil. 🧠🧠❤️🧠🧠”

 

Parabéns aos gestores do hospital e do grupo de saúde local, que acreditam na luta da comunidade médica contra o AVC, e sobretudo aos neurologistas e toda equipe que conseguiu este feito para a Neurologia Vascular e para o cuidado do AVC no Brasil!!!!!! Vejam a equipe envolvida neste projeto de longos dois anos, que foi agora colocado em prática:

Homepage: avcmovel.gruposanta.com.br

Neurologistas
– Thaís Martins
– Cláudio Carneiro
– Marcelo Lobo
– Natália Nasser

Neurointervenção
– Fernando Diogo
– Victor Hugo Ala
– Ivan Ferreira

Rivaroxabana em dose “vascular” já está disponível no Brasil

Aviso aos navegantes!!!! A apresentação com dose vascular de rivaroxabana (Xarelto, Bayer), testada e com eficácia comprovada no COMPASS Trial, estudo sensação do congresso da AHA daquele ano, publicado na NEJM 2017, já está disponível no Brasil desde março deste ano…

As indicações da terapia combinada de aspirina-rivaroxabana (100mg/dia e 2,5mg 2x ao dia) no estudo COMPASS foram:

  • Pacientes com doença arterial coronariana ou vascular periférica estável, ou ambas;
  • Em pacientes < 65 anos, aterosclerose documentada em pelo menos dois leitos ou o mínimo de dois dos fatores de risco cardiovasculares a seguir: tabagismo ativo, diabetes melitus, doença renal crônica com GFR < 60ml/min, insuficiência cardíaca (IC) ou AVCi não lacunar fora da fase aguda (>1m).

Os critérios de exclusão para a terapia combinada foram fatores considerados como de risco aumentado de sangramento, como pacientes com AVCi ou AVCh recente, AVCi lacunar recente; IC severa; doença renal crônica avançada (GFR < 15ml/min); indicação para dupla antiagregação ou anticoagulação oral.

Apesar da apresentação agora disponível ser de apenas 2,5mg, o valor do tratamento mensal (60cp) é ainda bastante elevado para a grande maioria da população brasileira, similares às apresentações de 15 e 20mg, e considerando que não temos, infelizmente, acesso a esta droga disponível no Sistema Único de Saúde (SUS).

LINKS

Eikelboom et al. Rivaroxaban with or without Aspirin in Stable Cardiovascular Disease. NEJM 2017. 

RESILIENT trial: Publicado!!!!

Estudo muito, muito importante para o Brasil, para conseguirmos a implantação da tecnologia de trombectomia mecânica em AVCi no SUS, e para uma tentativa de ampliar o acesso à terapia de trombectomia em países subdesenvolvidos e em desenvolvimento.

   

Parabéns aos autores brasileiros, em especial a Sheila Martins e Raul Nogueira, que capitanearam esse incrível projeto!!!!!

LINKS

Martins et al. Thrombectomy for Stroke in the Public Health Care System of Brazil. NEJM 2020. 

Visual Abstract. 

Certificado digital ICP-Brasil: Agora você vai querer ter o seu…

Eu venho falando, escrevendo, sonhando com isso há muito tempo.

Escrevi AQUI e outra vez AQUI, em 2015, quando comecei a usar documentos médicos digitais.

E finalmente, em tempos de quarentena obrigatória e pandemia do COVID-19, sendo obrigados todos nós a ficarmos em nossas casas, o Governo Federal resolveu regulamentar na emergência, literalmente no susto, a Telemedicina, colocando a determinação de validade de receitas com certificação ICP-Brasil para as farmácias de todo país.

No último dia 20 de março, o Ministério da Saúde publicou a Portaria 467/2020, regulamentando em regime de urgência os atendimentos em Telemedicina por conta da pandemia, e previu a validação das receitas digitais.

A seguir, um passo-a-passo de como começar a emitir receitas digitais, com a certificação digital.

1) ADQUIRIR O SEU E-CPF

Nada mais é do que você ter sua assinatura certificada ou digital, ou na sua própria mão, pelo uso de token (tipo de pendrive), ou este “certificado” instalado dentro do HD no seu computador. Eu sugiro que você compre o formato de token, onde poderá usar em qualquer desktop ou laptop, em trânsito, e não apenas no computador do seu consultório. A seguir, as autoridades certificadoras no Brasil, entidades e empresas que vendem as certificações digitais no nosso país: AQUI – lista do site www.iti.gov.br

>>> Token de certificado Digital.

 

As mais conhecidas emissoras de certificados digitais no país são o banco Caixa Econômica Federal, algumas empresas públicas, e empresas privadas como a Soluti Certificadora, Serasa Experian e a Certisign. Faça uma pesquisa de mercado e veja a que tiver melhor custo benefício no seu caso; algumas destas empresas e órgãos emitem a assinatura com a comodidade de visita ao próprio local de trabalho ou na casa do cliente/comprador, cobrando valores extras por este serviço.

Por último, sempre é de melhor custo-benefício comprar uma assinatura certificada para o período mais longo possível, com duração de 3 anos (certificado A3).

O processo de escolha, tipo da chave, levantar os seus documentos pessoais e finalmente comprar e instalar o certificado leva alguns dias, entre a escolha, agendamento e sua emissão propriamente dita.

2) EDITAR E EMITIR A RECEITA DIGITAL PARA O SEU PACIENTE

Com o E-CPF em mãos, e já tendo instalado o driver (do token E-CPF) ou a assinatura diretamente no seu computador, você seguirá os passos a seguir, sem a necessidade de qualquer aplicativo especial, programa diferente, empresa, compra de serviço, prontuário eletrônico X Y ou Z, em nuvem, NADA NADA NADA disso…

Nenhum tipo de intermediário entrará na emissão da sua novíssima receita ou prescrição digital.

Apenas você e o seu paciente, com os dados de identificação na prescrição.

E o melhor, aquele carimbo jurássico, que pode ser feito em qualquer esquina por aí, contendo seus dados pessoais, e que cada um de nós aqui já perdeu no bolso, no carro, na rua, no almoço, no hospital, no ambulatório, no plantão do PS ou da UTI – uma dezena de vezes!!!!!! Sim, este carimbo que a gente carrega sempre pra todos os lugares, que precisamos fazer boletim de ocorrência quando perdemos, poderá, quem sabe, algum dia, ser aposentado…? Não seria um sonho isso!?

3) COMO EDITAR E ASSINAR UMA RECEITA DIGITAL – TUTORIAL – BAIXE AQUI

LINKS

Ações de Telemedicina incluem receitas e atestados médicos com assinatura digital ICP-Brasil

Portaria 467, do Ministério da Saúde, sobre Telemedicina.

TST trial: Treat Stroke to Target (LDL-c) apresentado na Filadélfia – AHA 2019

Estudo clínico conduzido na França e Coréia do Sul avaliou o alvo de LDL-colesterol abaixo de 70mg/dL versus alvo de LDL-c entre 90-110mg/dL e impacto desta estratégia na redução de eventos cardiovasculares, em pacientes com AVCi ou AIT aterosclerótico, em follow-up médio de 3 anos e meio. A droga usada foi estatina com ou sem ezetimibe.

Os desfechos avaliados foram combinados de AVCi não-fatal ou infarto, novos sintomas necessitando revascularização carotídea ou coronária, e morte vascular. O desfecho primário foi observado em 8,5% dos pacientes com alvo mais baixo de LDL-c, versus 10,9% no grupo de alvo de 100±10 mg/dL. (adjusted hazard ratio, 0.78; 95% CI, 0.61 to 0.98; P=0.04); ou seja, risco de redução relativa de desfechos de 22% no grupo ativo de tratamento do estudo…

Vale, finalmente, a seguinte observação: risco de AVCh foi 38% maior no grupo com LDL mais baixo, mas não significativo pelo intervalo de confiança amplo…

Entretanto, além destes bons resultados, vieram as coisas junto com baixar LDL em pacientes neurológicos: contabilizando apenas desfechos de AVC ou AIT >> 13% RRR.

LINKS

Slides da apresentação de hoje – AHA2019

Amarenco et al. A Comparison of Two LDL Cholesterol Targets after Ischemic Stroke. NEJM 2019.

Weschler L. Statins and Stroke — It’s Complicated. NEJM 2019. Editorial. 

 

 

 

 

Primeira neurointervenção robótica do mundo: Toronto, e feita por brasileiro!

Isso mesmo.

Nosso colega Vitor Mendes Pereira fez história no início de novembro, quando performou a primeira neurointervenção com assistência de robô, a poucos metros, numa sala de comando, mas não à beira leito no aparelho de angiosuite, como se costuma realizar este tipo de procedimento. O procedimento foi realizado no Toronto Western Hospital, no Krembil Brain Institute, na cidade de Toronto, Canadá.

O sistema utilizado foi o CorPath GRX System, desenvolvido pela Corindus, companhia recentemente adquirida pela gigante do setor, a Siemens, que está investindo pesadamente em sistemas robóticos para intervenções radiológicas. Tais procedimentos já vem sendo realizados na área de Cardiologia, e a esperança agora é que, com este desenvolvimento, procedimentos em Neurointervenção possam estar disponíveis para áreas remotas, onde não há acesso ou disponibilidade de profissionais in loco para realizá-los.

    

Fonte: CVT News homepage. 

LINK

Meredith McLeod. World’s first robot-assisted brain aneurysm surgery performed in Toronto. In: CVT News.

First Robotic-Assisted Aneurysm Coiling Performed With Corindus’ CorPath GRX System. In: www.evtnews.com.